MANUAL DE DISCIPULADO: FRUTO DO ESPÍRITO E VITÓRIA SOBRE A TENTAÇÕES




FRUTO DO ESPÍRITO E VITÓRIA SOBRE A TENTAÇÕES

Lição 06

O fruto do Espírito é resultado de uma vida em plena comunhão com Cristo (Jo 15:5). Viver desta força, em completa obediência ao Espírito Santo, é a única maneira que temos para vencer nossas fraquezas naturais. Este estilo de vida nos leva a produzir o fruto do Espírito, expresso em Gl 5:22,23, com nove manifestação que veremos a seguir.

I – O FRUTO DO ESPÍRITO SE MANIFESTA A ATRAVÉS DO:

1 – Amor (Mt. 22:37-39) – é a marca do cristão. Este amor se manifesta de duas formas :
1.      amar ao próximo (I Jo. 3:14-16) 0 há três termos gregos para designar amor: “ágape”, “eros” e “phileo”. Amor ágape é o amor desprovido de atração física, é amor puro, verdadeiro, de Deus. É amar independentemente das características pessoais de qualidade da pessoa;
2.      amar a Deus (João 14:15) é provocado na prática, “Se me amais, guardareis os meus mandamentos”.
2 – Alegria - é de origem espiritual, não é passageira, não é enfraquecida pela adversidade, não depende das circunstâncias (Fp. 4:4). Ela é sobrenatural e completa (Jo. 15:11);
3 – Paz (Jo. 14:27) – é a salvação que nos garante o estado de tranqüilidade em relação a Deus e ao nosso futuro (Rm. 5:1). É manifestar a confiança em Deus mesmo diante de circunstâncias difíceis (Fp. 4:7);
4 – Longanimidade – paciência para suportar aflições, ser gentil com aqueles que vivem perto de nós, não criticar, ser tolerante. É saber suportar pressões sem pecar. Significa também perseverança para alcançar o objetivo proposto (II Pe. 3:9);
5 – Benignidade – fruto passivo (I Co. 13:4-7) – bondade profunda, compreensão, atenção, disposição para fazer o bem ao próximo.
6 – Bondade – fruto ativo – é o mesmo que generosidade. Inclui a hospitalidade e todos os atos da bondade de alguém que prefere dar a receber (Ef. 5:9). Pecamos quando não naturais (Pv. 3:3);
7 – Fidelidade – é um caráter que inspira confiança. É ser fiel nas pequenas coisas que Deus nos confia. Exige dependência absoluta de Deus e traz bênçãos (Mt. 25:21). É ser responsável para com Deus, para com a Igreja e para com os deveres naturais (Pv. 3:3);
8 – Mansidão – Brandura de gênio, nos leva a suportar muitas críticas com amor, sem se irritar. Ser suave no trato com aqueles que nos cercam, ser brando, não estúpido, ser carinhoso, não revidar (Mt 5:5,38-42). É transferir a Deus todo o julgamento e toda decisão.
9- Domínio Próprio – auto controle e auto disciplina. Soluciona o problema do ódio, medo, ciúme, etc. é saber controlar os sentimentos, ser controlado pelo Espírito Santo (II Pe 1:6). É agir e reagir em todas as situações como Jesus agiria e reagiria. Este fruto irá gerar em nós a verdadeira maturidade cristã.

II – SEGUNDO I Co 2:14  à 3:2, HÁ TRÊS TIPOS DE HOMEM:

1.      Homem Natural (I Co 2:14) – é aquele que ainda não recebeu a Cristo como Senhor e Salvador;
2.      Homem Carnal (I Co 3:1-3) – é aquele que já recebeu a Cristo, mas vive em derrota, porque confia em seus próprios recursos e esforços para viver a vida cristã.
3.      Homem Espiritual (I Co 2:15) – é aquele que é controlado e fortalecido pelo Espírito Santo. Tem características pessoais, resultantes de sua confiança e seu conhecimento em Deus, tais como:
-         É cirstocêntrico (a vontade de Jesus é o centro de sua vida);
-         É fortalecido pelo Espírito Santo (Ef 6:10-13);
-         Conduz outros a Cristo, possui uma vida frutífera (Mt 28:19,20);
-         Possui uma vida efetiva de oração (Ef 1:16 e 3:14);
-         Compreende e busca fazer a vontade de Deus (I Sm 15.22);
-         Confia em Deus (Sl 32:10);
-         Obedece a Deus (Hb 11:18).

Como tornar-se um homem espiritual?

Através da fé (Hb 11:6), do arrependimento e esvaziamento de si mesmo (Fp 2:5-8), da atuação do Espírito Santo em sua vida diária (Jo 7:37,38) e através da obediência na Palavra de Deus (Sl 119:11).]

III – QUAIS OS RESULTADOS DE UMA VIDA CONTROLADA PELO ESPÍRITO SANTO?

Nos leva a produzir o fruto do Espírito (Gl 5:22-23) e manifestá-lo de forma quádrupla:
1.      Em relação a Deus – louvor, adoração, e gratidão;
2.      Em relação a si mesmo – andar prudentemente, ter paz interior, ter propósito na vida e busca constante da vontade de Deus, conforme revelada em Sua Palavra;
3.      Em relação a Igreja – comunhão no Corpo de Cristo. Isto envolve sinceridade uns com os outros (Ef 4:25), ter um coração que cede ao seu próximo por amor (Ef 5:21);
4.      Em relação ao mundo – vida exemplar no trabalho (Ef 6:5-9), testemunho vivo de Jesus (Ef 6:19,20), vitória sobre o inimigo a cada dia (Ef 6:10-12).

IV – O HOMEM ESPIRITUAL VENCE AS TENTAÇÕES

Não obstante, a pessoa ser salva por cristo, ela está sujeita às tentações. Aliás, é após a conversão que as tentações se tornam evidentes. O fato é que agora, após a aceitação de Jesus, a pessoa está envolvida numa batalha espiritual. Deus, porém, já nos deu todas as armas para vencermos esta batalha.
Deus não nos quer espírito, mas homens e mulheres espirituais (I Co 2:15). Somente um homem espiritual pode discernir e compreender a vontade de Deus e cumpri-la, vencendo as provações e tentações.
A Bíblia afirma que o cristão não deve viver debaixo do império da morte, do pecado. Por outro lado, afirma também que seremos provados em nossa fé. O que fazer então?

V – A DIFERENÇA ENTRE TENTAÇÃO E PROVAÇÃO
Tentação
-         Sua origem é satânica e carnal (Mt 4:1);
-         Visa sempre o mal, ou seja, tirar-nos da dependência de Deus (Mt 4:3-11);
-         Não é pecado em si. Jesus foi tentado, porém não cedeu a tentação (Hb 4:15);
-         Pode ser definida como aquele impulso inicial que a pessoa sente para cometer pecados. Quando satanás tenta nos seduzir a realizar a vontade da carne ou a sua vontade induzindo-nos a pecar contra Deus.
Provação
-         É de origem divina (Gn 22:1-12);
-         Visa fortalecer a pessoa e não derrubá-la (Hb 11:8-10). Abraão foi exaltado e adquiriu bom testemunho após ter sido aprovado;
-         Como a palavra já diz, significa “pôr alguém à prova, submete-la a um teste” (Dt 8:2);
-         A provação vem, muitas vezes, através de sofrimento (I Pe 2:19-21);
-         É motivo de alegria (Tg 1:2-4). A provação da fé produz perseverança, integridade e caráter. Através da provação somos aperfeiçoados, se formos aprovados.
-         Os aprovados receberão galardão (Tg 1:12).

Às vezes, um mesmo fato pode servir de tentação e provação. Deus permite certas coisas em nossa vida para provar a nossa fidelidade e nos fortalecer ainda mais (guando o ouro passa pelo fogo, ele é depurado). Contudo o diabo tira proveito da mesma circunstância para nos derrubar. Um exemplo disso vemos no livro de Jó (Tg 5:10,11- I Pe 1:6,7).

VI – POR QUEM SOMOS TENTADOS?

Pelo diabo
1)     Quem é ele? – Jo 8:44: pai da mentira;
2)     Que ele faz? – I Pe 5:8: anda em derredor procurando atacar e destruir;
3)     Qual o seu objetivo? – Jo 10:10: matar, roubar e destruir, sempre lançando dúvidas a respeito da Palavra de Deus. Sua estratégia é a\ mentira e o engano.

O mundo

1)     Mundo é o sistema religioso, social, político, os valores de todas as nações existentes, contrários aos princípios de Deus. É a humanidade afastada de Deus e dominada pelo diabo;
2)     I Jo. 2:15-17 fala das coisas que o mundo oferece para satisfazer aos nossos objetivos carnais: prazer, posses e posição. (Sexo ilícito, ambição por prestígio, etc.);
3)     A maneira utilizada para combater o mundo e vencê-lo não é enfrentando-o através de regras ou normas externas de comportamento, mas através do fortalecimento do homem interior (conhecer e obedecer a Palavra de Deus através de jejum e da oração). Por meio da fé vencemos o mundo.

A carne

1.      Carne é cobiça pecaminosa que opera em nós, nos levando a desobedecer a Deus (Rm. 7:14-24);
2.      Está em oposição ao Espírito de Deus (Gl. 5:17);
3.      As obras da carne são abomináveis a Deus (Gl. 5:19-21);
4.      Deve ser mortificada em Cristo (Gl. 5:24).

NOTA: O diabo habilmente usa o mundo e a carne para despertar os nossos desejos pecaminosos e assim desviar-nos da dependência de Deus.

VII – TENTAÇÃO: INÍCIO DO PROCESSO QUE LEVA À MORTE (Tg. 1:13-15).

As tentações começam em nossa mente através da cobiça. Se perdemos a batalha na mente, o passo seguinte será a imaginação, (sedução e engano). Do engano surge a decisão. Após a decisão vem a ação. Uma vez consumada a ação (em palavras, atos, pensamentos ou reações) vem a morte (separação de Deus).

COMO OBTER A VITÓRIA SOBRE A TENTAÇÃO?

1.      Levar todo pensamento cativo à obediência de Cristo (II Co. 10:4-5); pois isto impedirá o desenvolvimento dos passos mencionados acima;
2.      Estar com a mente cheia da Palavra de Deus (Cl. 3:16; Fp. 4:8-9);
3.      Louvar a Deus constantemente. Decore alguns cânticos e passagens da Bíblia que falam de louvor e gratidão a Deus. O louvor não é somente cantar e citar a Bíblia, mas tudo o que fazemos: nossas atitudes, ações, reações (Ef. 5:18-20);
4.      Reconhecer a realidade da existência do diabo, do mundo e da carne, saber com eles agem e resisti-los firmemente (I Pe 5:8,9);
5.      Vigiar e Orar (Mt 26:41);
6.      Apropriar-se pela fé dos recursos de Deus (Ef 1:16-23);
7.      Andar continuamente no Espírito (Gl 5:16);
8.      Manter comunhão constante com os irmãos (Cl 3.16). participe da vida da Igreja e de um grupo de estudo bíblico (como escola dominical, institutos bíblicos, etc.);
9.      Buscar auxílio pastoral nos momentos de crise;
10. Ler bons livros cristãos;
11. Manter Jesus Sempre no centro da vida e falar d’Ele a outras pessoas;
12. Todo o nosso ser precisa estar servindo a Deus integralmente (I Ts 5.22,23).

VIII – O QUE FAZER QUANDO CAIR EM TENTAÇÃO?

1.      Quando pecamos, nossa comunhão com Deus é interrompida (Is 59.2). demos restaurá-la através da:
2.      Confiança que o sangue de Jesus é suficiente para garantir o nosso perdão e nos purificar (I Jo 1:9);
3.      Rejeitar a condenação do diabo (Rm 8:1);
4.      Não precisamos carregar um fardo pesado por pecados cometidos. Uma vez confessando o pecado (verdadeiramente arrependido do que fez), devemos apropriar do perdão oferecido por Deus através do sangue de Jesus e viver de tal maneira que Deus seja glorificado. O perdão dos pecados não depende de sentimentos como o ressentimento, mas de fé, confissão, arrependimento e conversão.


Ø  Memorize: “Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo, e, por meio de nós, manifesta em todo lugar a fragrância de seu conhecimento” (II Co 2.14).

Autor: Cleber Renato

Comentários

  1. Texto grande (xô preguiça de ler! rs) mais verdadeiro e edificante.
    Glória a Deus. Que você continue sendo canal de benção aqui no blog e por onde quer que passar.

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  2. A PAZ EVANGELISTA! BENÇÃO ESTE ESTUDO! MUIOS ESTÃO ENROLADOS EM MUITAS DUVIDAS E PRECISAM SER MINISTRADOS. TIRAR AS DUVIDAS ALHEIAS NOS FAZ CRESCER TAMBEM! MUITOS ESTÃO LIMITADOS, ACORRENTADOS E SUFOCADOS! A VIDA CRISTÃ NÃO É FACIL MAS, O MANUAL DE FÉ É A PALAVRA DE DEUS. QUE DEUS TE ABENÇOE MUITO! FIQUE NA PAZ! ECIO

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Temas para Missões

Frases marcantes de: Oswald Smith

Esboço de Sermão: Josué - Vencendo os Desafios da Vida