Aula Missiologia Parte 1



UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA DE MISSÕES
Prof.: Ev. Cleber Renato
IBAD – Núcleo Uberaba

INTRODUÇÃO
A  razão  de  ser  e  existir  da  Igreja,  além  de  glorificar  a  Deus, é  levar  a  Palavra  do  Senhor  a  todo  o  mundo.  O  Evangelhode  Jesus,  através  da  igreja,  alcança  todas  as  pessoas  sem distinção.
A Bíblia: Manual de Missões
O Aprendizado em Missões através da Bíblia
Missões no século I a X
Missões no século XI a IX
Missões no Século XX
A BÍBLIA: MANUAL DE MISSÕES
A  Bíblia  mostra,  em  João  (3.16),  que  “Deus  amou  o  mundo de  tal  maneira  que  deu  o  seu  Filho  unigênito,  para  que todo  aquele  que  nele  crê  não  pereça,  mas  tenha  a  vida
eterna” .
O  objetivo  eterno  do  Senhor  é  salvar  a  humanidade  e  para isso não poupou o seu próprio Filho. Essas  palavras  provam  para  todos  que  Missões  não  são produto  do  coração  humano,  não  vem  do  homem  em primeiro plano, mas vem do coração de Deus.
Missões  são  a  demonstração  do  grande  amor  de  Deus  pela humanidade. A  Palavra  do  Senhor  nos  torna  cientes  de  que  o  objetivo primordial  da  Trindade  é  a  redenção  da  humanidade  e  que a  obra  missionária  é  o  canal  para  o  cumprimento  desse plano de resgate.
Em  toda  a  Bíblia,  seja  de  maneira  direta  ou  indireta,  nos deparamos com Missões. Missões é isso, anunciar ao mundo essa verdade: Jesus veio ao mundo para que os homens fossem salvos  por  Ele, livres da condenação do  pecado, do medo  da  morte, do  inferno e do domínio de Satanás.
A Bíblia é o Manual de Missões que Apresenta o  Plano Redentor de Deus, Deus  quer  salvar  a  todos,  por  isso  a  palavra  de ordem  na  Bíblia  sagrada  é  “anunciai  a  salvação  do Senhor” .
No  Novo  Testamento,  esse  trabalho  de  comunicar  a salvação  é  chamado  de  Evangelho,  Boas-Novas,  que devem  ser  levadas  a  todas  as  tribos,  raças  e  nações sobre a face da Terra.
Apresentamos  a  seguir  a  visão  Vetero  e Neotestamentária.
Os Dois Testamentos Apontam Para Missões
Missões no Antigo Testamento
Abraão: depois de algum tempo, o Altíssimo escolhe um homem, separa-o para a sua obra e o envia para terras que ele não conhecia. Inicia-se a saga de um grande vulto da Antiguidade, Abraão, o amigo de Deus. A este fora feita uma promessa de cunho missionário, pois através dele seriam benditas todas as famílias da terra.
Israel:  Deus  separa  para  si  um  povo  e  através dele  dá  testemunho  em  toda  a  terra  do  seu poder, de sua bondade e de sua justiça. Uma  nação  levantada  para  ser  referencial para  as  demais,  para  ser  uma  bênção  e difundir o conhecimento de Jeová sobre a face da terra.
Isso também é Missões.
Davi:  rei,  soberano  em  Israel.  Davi  era  conquistador,  sua fama correu por toda a terra. Através  dele  os  reis  da  terra  souberam  que  o  Senhor  é  o Rei dos reis e Senhor dos senhores.  Há  uma  pausa  na  história  da  vida  de  Davi  em  que  é mencionada  sua  relação  direta  com  o  plano  redentor  de Deus;  através  dele  viria  o  salvador  que  reinaria  para sempre.
Poéticos:  todos  os  livros  inspirados  fazem  menção  ao  Messias salvador . Jó fala do redentor que se levantará sobre a terra; os Salmos cantam o triunfo do Messias e a salvação do Senhor;  Provérbios  e  Eclesiastes  falam  do  temor  ao  Senhor  como  princípio da sabedoria; Cantares, embora apresente o relacionamento de um homem e de uma mulher literalmente, apresenta a força de uma união baseada no  amor  verdadeiro  e  é  esse  amor  que  o  Senhor  tem  pela humanidade.
Profetas:  proclamam  abertamente  a  vinda  do  Messias,  seu trabalho, seu sofrimento e sua vitória.  Há menção profética até mesmo do local de seu nascimento.  Os profetas apresentam o Messias que virá para salvar e libertar.
Missões no Novo Testamento
Depois  de  um  longo  período  de  aproximadamente 400  anos,  chamado  de  período  intertestamentário, a  Palavra  de  Deus  se  cumpre  e  aparece  no  cenário humano:
O  Filho  de  Deus,  Jesus  Cristo.  Ele  veio  para  a  missão de salvar a humanidade. O  desenvolvimento  de  seu  trabalho  se  dá  da seguinte forma:
Ministério:  nos  evangelhos,  Jesus  é  o  exemplo maior . Ele está presente em cada livro da Bíblia, mas somente  os  quatro  Evangelhos  revelam  sua  vida  e ministério  e  o  reconhecem  como  o  cumprimento das promessas de Deus.
A  Cruz:  cumpriu  todas  as  coisas  e  foi  até  o  Gólgota e  lá  entregou  sua  vida  pela  humanidade;  todos  que nele  cressem  não  mais  temeriam  a  morte,  mas andariam em novidade de vida.
Ressurreição:  ao  terceiro  dia  ressuscitou, apareceu  aos  discípulos  e  depois  a  centenas deles pelo espaço de 40 dias. Deixou, antes de subir  ao  céu,  uma  tarefa  para  os  seus seguidores:  anunciem  em  todo  o  mundo  que a salvação é chegada.
Atos:  vislumbramos  um  povo  separado  para  a obra  de  Deus,  cheio  do  poder  e  ousadia. Pessoas  simples  que  iriam  impactar  o  mundo com o poder do Cristo ressurreto.
Cartas  e  Tratados:  os  escritos  de  Paulo  e  de  outros apóstolos  e  discípulos  são  tratados  teológicos  e apresentam,  da  mesma  maneira,  o  plano  de salvação e o que fazer para alcançá-la.
Apocalipse:  o  desfecho  final.  O  Cordeiro  vitorioso tem  todo  poder  no  céu  e  na  terra.  Todos  os  reinos caíram  diante  dele,  toda  a  terra  tremerá,  pois  Ele desceu para reinar e com Ele os salvos.
Anteriormente  asseveramos  que  a  Bíblia  é  considerada  um  manual de  missões;  de  fato  é,  pois  nela  encontramos  subsídios  valiosos  para o sucesso na obra de evangelização mundial.  Por  isso,  neste  capítulo,  num  primeiro  momento  apresentaremos  o que ela nos ensina em relação ao amor e compaixão pela obra; a responsabilidade de cumprir o “Ide” de Jesus; a ação do Espírito Santo na obra de Evangelização; a diretriz e estratégias para a realização do trabalho; a  importância  da  preparação  de  obreiros  para  a  seara  e  o  exemplo dos discípulos como missionários.
O APRENDIZADO EM MISSÕES ATRAVÉS DA BÍBLIA
Através  da  Bíblia,  aprendemos  como  deve  ser realizada  a  obra  de  Deus,  de  que  maneira  podemos ser  instrumentos  de  Deus  para  mudar  situações  e levar vidas ao Senhor Jesus Cristo. Alguns pontos devem ser observados.
O Evangelho: Norteador do Trabalho  Missionário
1. Amor e Compaixão por Missões
O  maior  exemplo  de  amor  missionário  é  o  do  próprio  Senhor Jesus  que  se  entregou  por  todos.  Jesus  amou  tanto  que mesmo  pregado  na  cruz  olhou  para  seus  inimigos  e  lhes perdoou.  Na  evangelização  mundial,  se  não  houver  compaixão  e  amor verdadeiro,  ela  será  infrutífera,  pois  no  trabalho  missionário as retaliações são intensas e desestimulantes; mas  a  vontade  de  levar  o  conhecimento  da  verdade  deve sobrepujar  tudo  isso.  O  missionário  deverá  entender  que sempre haverá dificuldades, angústias e perseguições.  O  amor  cristão  é  evidenciado  quando  se  renuncia  a  uma  vida de  conforto  e  tranquilidade  para  se  dedicar  aos  perdidos  da terra.
2. A Responsabilidade de Cumprir o “Ide” de Jesus
Quando  estava  aqui  na  terra,  Jesus  cumpriu  a  tarefa que  veio  realizar,  porém  a  obra  continuaria  até  levar  a mensagem de salvação a todo mundo.  Essa  tarefa  de  levar  as  Boas-Novas  pertence  aos  salvos. Jesus  disse  que  os  seus  servos  fariam  obras  maiores dos  que  Ele  fez  aqui  na  terra,  pois  subiria  para  o  Pai, mas  os que ficassem seriam instrumentos de  Deus para propagação do Evangelho. A  ordem  do  Senhor  é  para  o  crente  ir  por  todo  o mundo e pregar o Evangelho a todos. Essa  responsabilidade  é  da  igreja,  e  ela  se  cumpre através do trabalho missionário.
3. O Espírito Santo e Missões
O  marco  da  ação  do  Espírito  está  no  livro  de  Atos.  Jesus,  antes de  ser  assunto  ao  céu,  fez  uma  promessa  aos  discípulos,  que está registrada em Atos (1.8):
“Mas  recebereis  poder,  ao  descer  sobre  vós  o  Espírito  Santo,  e ser-me-eis  testemunhas,  tanto  em  Jerusalém,  como  em  toda  a Judeia e Samaria, e até os confins da terra. ”  A  Palavra  de  ordem  é  “Ir”,  a  garantia  do  sucesso  está  na presença  do  Senhor  Jesus  no  meio  da  Igreja  e  isso  é  possível pela  ação  do  Espírito  Santo  de  Deus  que  se  tornou  agente  de Cristo.
Trabalho Missionário
Vejamos como o Espirito Santo age:
Fonte  de  Poder:  Enquanto  Jesus  Subia,  o  Espírito  Santo  descia  e em  seguida  a  igreja  saiu  a  campo  para  ser  instrumento  de  resgate dos perdidos da terra.  Portanto,  a  obra  missionária  depende  da  vida  espiritual.  Podemos listar alguns exemplos:
Avivamento Morávio,
Os irmãos Weslley ,
Hudson Taylor na China,
Moody em Chicago,
Jonathas  Edwards  que  trabalhou  nos  Estados  Unidos, principalmente entre os índios,
Daniel  Berg  e  Gunnar  Vingren,  que  vieram  para  o  Brasil  e fundaram  a  Assembleia  de  Deus,  e  tantos  outros  que  foram instrumentos de Deus através de grandes avivamentos.
Espirito Santo
Preside  a  Igreja:  A  Bíblia  é  clara  quando  apresenta  a  ação  do  Espírito nas  decisões  da  igreja  do  primeiro  século.  Quando  os  crentes  se reuniam  para  discutir  sobre  qualquer  questão,  Ele  dava  a  diretriz.  É comum vermos a frase: “e pareceu bem ao Espírito Santo”. Ele  Separa  Obreiros:  Estavam  todos  reunidos  em  Antioquia  da  Síria, buscando  a  Deus  em  oração,  consagrando  as  suas  vidas  e  de  repente o  Espírito  Santo  disse  para  que  fossem  separados  Paulo  e  Barnabé para uma obra específica (At 13.1,2).
O  Espírito  direciona  o  Trabalho:  O  Apóstolo  Paulo  teve  o  desejo  de partir  para  a  Bitínia,  a  fim  de  evangelizar  naquela  localidade,  porém foi  impedido  pelo  Espírito  Santo.  Depois  disso,  teve  a  visão  de  um homem  da  Macedônia  que  pedia  ajuda  e  ao  tomar  a  decisão  de  ir, não  foi  impedido.  Para  fazer  Missões,  precisamos  aprender  a  ouvir  a voz do Espírito.
Ele Convence o Pecador: A Bíblia diz que ninguém se converte se não  pelo Espírito. É Ele quem convence o homem do pecado, da justiça e do juízo.
Estratégias Missionárias
Por  isso,  as  estratégias  utilizadas  pela  igreja primitiva  devem  ser  adaptadas  para  a  realidade atual. Jesus  se  misturava  com  o  povo,  tocava  nas  pessoas, parava para ouvi-las e socorrê-las.  O  apóstolo  Paulo,  ao  chegar  a  algum  lugar, procurava  sempre  os  grandes  centros  para,  a  partir deles,  estender  o  trabalho  para  localidades menores.
5. Preparação de Obreiros
Observamos  na  Palavra  de  Deus,  em  especial  nas  cartas paulinas,  orientações  acerca  do  trabalho  dos  obreiros  e  a maneira como devem se comportar no meio em que vivem. Há  instruções  para  o  pastoreio,  conduta  cristã,  como defender  a  fé  perante  os  incrédulos  e  resistir  aos  ataques de dentro da própria igreja. Isso  quer  dizer  que,  na  obra  missionária,  apesar  de  todo estudo  e  preparação  técnica,  a  melhor  maneira  de  tratar com  os  problemas  que  surgem  é  buscar  auxílio  na  Bíblia sagrada.
6. O Exemplo dos Servos de Jesus da Igreja  Primitiva em Missões.
Apóstolo Paulo
Apóstolo Pedro
Timóteo
O Alcance Mundial da Obra  Missionária
Em  Atos  (1.8),  Jesus  disse  aos  discípulos  que receberiam o poder quando o Espírito viesse até eles. O  objetivo  desse  derramamento  era  que  deveriam  ser testemunhas  de  Cristo  em  Jerusalém,  Judeia,  Samaria, e até nos confins da terra. O  que  se  observa,  nesses  versículos,  é  o  termo  “tanto em”  e  “como  em”,  o  qual  chamamos  de  Teologia  do “tanto  como”,  ou  seja,  o  Evangelho  deveria  ser  pregado em todos esses lugares ao mesmo tempo, obviamente  em  proporções  diferentes,  isto  quer  dizer que  não  se  pode  ficar  preso  a um  só tipo  de trabalho;  é necessário  fazer  algo  para  que  outras  frentes  sejam abertas e outros lugares sejam alcançados.
Podemos  dividir  a  obra  missionária  da  seguinte  maneira:
Missões  Domésticas,  Transculturais,  Estrangeiras, Organizadas e Independentes.
a)  Missões  Domésticas:  é  um  trabalho  missionário desenvolvido  no  país  de  origem  atingindo  grupo  social  ou étnico  que  ainda  não  foi  evangelizado  ou  populações carentes de difícil acesso. Um  tipo  de  trabalho  que  não  deve  ser  relegado  a  segundo plano, pois há ainda muito por fazer em nosso país. Geralmente  quando  se  fala  em  missões,  logo  vem  à  mente países da África, Ásia e outros da América do Sul. Missões  são  para  o  mundo  todo,  para  os  que  estão  perto, bem no nosso quintal, e para os que estão longe.
Missões  Transculturais:  como  o  próprio  nome indica,  vão  além  das  fronteiras  culturais;  nesse aspecto,  não  se  restringe  somente  a  outros  países, embora a maioria do trabalho seja realizada fora. No  próprio  país  de  origem  há  com  certeza  grupos que  mantêm  culturas  diferentes,  sendo  assim,  esse tipo  de  missões  pode  ser  realizado  tanto  fora  do país quanto dentro dele mesmo.
Como  exemplo,  podemos  citar  o  trabalho missionário entre os índios do Brasil.
Missões  Estrangeiras:  especificamente  é  um trabalho  de Evangelização realizado  fora do  país,  vai além fronteiras. Missões  Organizadas:  tudo  é  feito  por  fé,  porém com organização e cuidado. O  missionário  é  enviado  de  maneira  correta,  com sustento adequado. Geralmente é mantido por uma agência  ou  departamento  de  missões  que  atua  em conjunto  com  as  igrejas  que  repassam  fundos  de ajuda para manter a obra missionária.
Missões  Independentes:  a  responsabilidade  do  trabalho  recai totalmente  sobre  o  próprio  missionário.  Ele  não  é  enviado  por  ninguém  (ministério  ou  igreja),  seu  sustento  não  é  organizado, depende  de  ajuda  de  voluntários  que  arrecadam  dinheiro  entre  si para enviar a ele onde estiver trabalhando.
Não  é  um  modelo  bom  de  ser  copiado,  pois  abre  espaço  para  muitos aventureiros  ou  para  aqueles  que  querem  galgar  cargos  e  títulos eclesiásticos, usando o campo missionário para tal fim. O  obreiro  vai  para  algum  país  com  recursos  próprios,  permanece  lá no  máximo  três  meses,  e,  ao  retornar,  tem  status  de  missionário  e quer logo ser consagrado a pastor e ser mantido pela igreja. Outro fator negativo é que não está vinculado a ministério algum, age sozinho,  sem  ter  que  dar  satisfações  a  ninguém.  Pode  ser  feito,  mas deve-se ter cuidado para que não tenha motivações erradas.
A  História  Bíblica  nos  relata  que  após  a  ascensão  de Cristo,  os  discípulos,  cheios  do  Espírito  Santo, começaram  a  pregar  o  Evangelho  e  multidões  de pessoas,  principalmente  os  judeus,  se  convertiam  e passavam  a  integrar  aquele  grupo  que  crescia  de maneira assustadora.  Esses  discípulos  enfrentaram  perseguições  de  todo tipo,  mas  não  recuaram  e  pela  sua  ousadia,  até  o ano  60  a.D.,  aquele  pequeno  grupo  se  tornou  um instrumento  para  levar  o  Evangelho  por  todo  o mundo conhecido da época.

Fonte: Slides do IBAD Matéria Missionlogia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Temas para Missões

Frases marcantes de: Oswald Smith

Esboço de Sermão: Josué - Vencendo os Desafios da Vida