Testemunho do Crente


Jesus nos comissionou para sermos suas testemunhas (Jo 15.27; At 1.8).
A palavra “Testemunha” é de uso corrente nos tribunais, onde designa a declaração que uma testemunha presta a autoridades a fim de esclarecer fatos do seu conhecimento.

Cada crente deve testemunhar de Cristo. Testemunhar é falar do que Cristo fez por nós e pregar Sua mensagem (At 10.39-42). Também é dar o exemplo de uma vida cristã. É mostrar ao mundo que fomos transformados por Cristo. É a genuína expressão do Evangelho do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo na vida do crente.

ANUNCIANDO O EVANGELHO
Jesus mandou aos que foram alcançados por Sua graça, que dessem testemunho do que ele fez (Mt 8.4; Mc 5.19; Lc 9.60). Vemos na Bíblia, muitos novos convertidos testemunhando (Jo 1.40-42; 4.28-30, 39-42)
O Senhor ordenou à Sua igreja que anunciasse o evangelho (Mt 28,19,20).
É necessário que cada crente confesse a Cristo diante dos homens (Lc 12.8,9; 2 Tm 2.11-13)
Quando os crentes foram perseguidos, em vez de se esconderem com medo, de ficarem intimidados, eles oraram para que pudessem testemunhar com mais ousadia (At 4.24-31)
Pedro recomenda que estejamos preparados para testemunhar (1 Pe 3.15)
Paulo orienta que devemos treinar outros para também testemunhar (2 Tm 2.2)
Devemos pregar o evangelho, quer seja oportuno ou não (2 Tm 4.2; Fp 1.18)
Paulo até mesmo preso, pregava (At 28.31).

Tem gente com vergonha de testemunhar do plano de Deus para a nossa salvação, mas Paulo afirma que não se envergonha do evangelho (Rm 1.16)
Não devemos nos envergonhar, pois Deus nos dá o poder para testemunhar (2 Tm 1.7,8). Jesus disse que o Espírito Santo nos dará palavras para testemunhar (Mt 10.18-20; Mc 13.9-11).

REVELANDO UMA VIDA TRANSFORMADA
Não devemos dar escândalo ou ser motivo de tropeço para quem quer que seja (1 Co 8.9; 10.32,33; Rm 14.13; 2 Co 6.3; Fp 1.10)
O testemunho de uma vida transformada muitas vezes fala mais alto que a pregação do evangelho. “O que você faz soa tão alto que não ouço o que você diz”.
Os descrentes não lêm a Bíblia, senão no testemunho dos crentes.
Pedro orienta que as mulheres ganhem seus maridos pelo seu procedimento (1 Pe 3.1,2)

Devemos andar conforme o evangelho de Cristo, dignamente (Rm 13.13; 2 Co 8.21; Fp 1.27; Cl 1.10; 2.6; 1 Ts 2.12; 4.1,11,12; 1 Pe 2.12), diante de deus e dos homens, a fim de que Deus seja glorificado em nós.

Devemos andar com sabedoria (Cl 4.5), para não sermos levados pelos enganos e engodos dos falsos ensinos. É Deus quem dá sabedoria (Pv 2.6); é bem-aventurado quem acha a sabedoria (Pv 3.13); o sábio diz que a sabedoria é a coisa principal (Pv 4.7). Quando o apóstolo se refere aos "que são de fora", deixa claro que os crentes são "os que são de dentro". Aí se vê a diferença. De fato, os seguidores de Cristo são, na verdade, neste mundo, peregrinos e forasteiros (Hb 11.13; 1 Pe 2.11). Estão no mundo, mas não são do mundo (Jo 15.19).
Nossos costumes e hábitos diários devem ser governados pela mente divina de Cristo (1 Co 2.16). "Sede prudentes como as serpentes e símplices como as pombas" (Mt 10.16). Andar com sabedoria é equivalente a andar nEle (Cl 2.6). Nenhum cristão deveria dar aos incrédulos qualquer base para caluniar Cristo ou Sua Igreja (Cl 1.22; 1 Tm 3.7). Somos abençoados quando as pessoas nos acusam "falsamente" (Mt. 5:11). A igreja primitiva tinha poder e pureza em sua união com Cristo (At 5.12,13).
Devemos aproveitar as oportunidades (Cl 4.5), pois não sabemos se teremos outra chance de pregar àquela pessoa. Esperar o momento certo e fazer a abordagem adequada.

Nossas palavras devem revelar o amor de Deus em nossos corações (Mt 12.34), sendo pronunciadas na medida certa (temperada com sal), para não falarmos de menos (insosso) ou demais (salgado demais).
Também deve ser pura (Ef 4.29) e conveniente, não deixando de ser enérgica quando necessário (At 15.1,2; Gl 1.9).
A conversa do crente deve ser agradável, cativante, amável e graciosa. Deve ser uma linguagem originada na graça de Deus operando em nosso coração, que contenha a verdade com amor (Ef 4.15).
Remindo o tempo: o bom ou mau uso do nosso tempo tembém testemunha do que é mais importante para nós: Cristo (Bíblia, oração, evangelização, etc) ou o mundo (TV, música profana, etc).

Devemos testemunhar de Jesus:
Em toda parte (At 1.8)
Em nossa casa (Mc 5.19,20)
No trabalho (1 Tm 6.1)
Os pastores também devem dar bom testemunho (1 Tm 3.7)

PASSOS PARA DAR UM BOM TESTEMUNHO
Pedir orientação e sabedoria de Deus para agir, falar, resolver problemas (Tg 1.5, 6; 3.17).
Seja zeloso, honesto. Tenha uma conduta moral séria, demonstrando cordialidade para com as pessoas. (1 Pe 2.15-17)
Evite contendas, brigas, discussões (2 Tm 2.14,15).
Esteja sempre preparado para explicar claramente o Evangelho (1 Co 15.1-4).
Fale sempre com clareza acerca da condição para a Salvação: Fé e arrependimento (Rm 10.9, At 2.37-38).
Conscientize as pessoas de que elas precisam tomar uma decisão urgente com Cristo (At 10.30,31)
Demonstre sua segurança em Cristo, sua alegria na certeza da vida eterna (1 Jo 5.10-12).
Não se deixe vencer pela timidez. Aproveite todas as oportunidades para falar do Salvador (2 Tm 4.2).

QUEM É O CRENTE QUE DÁ BOM TESTEMUNHO
Aquele em que o Senhor fez alguma coisa (1 Cr 16.8)
Aquele que teme ao Senhor (Sl 60.4)
Aquele que foi remido pelo Senhor (Sl 107.2)
Aquele que reconhece a soberania de Deus (Is 12.4).

DE QUE MANEIRA O CRENTE DEVE DAR BOM TESTEMUNHO
Cheio do Espírito Santo (At. 1.8)
Sem temor ou vergonha (2 Tm 1.8)
Com prontidão constante (1 Pe 3.15).

AS PROVAS DE UM VERDADEIRO TESTEMUNHO
Por uma experiência pessoal (Sl 66.16)
Por entender que é um dever diário (Ml 3.16)
Para relatar as bênçãos de Deus (Is 63.7)
Porque há um fogo no seu intimo (Jr 20.9)
Inspirado pelo Espírito Santo (At 2.4)
Por compromisso com a sua fé (At 4.20)
Por ter crido em Jesus (2 Co 4.13).

O MAU TESTEMUNHO DO CRENTE
Provoca escândalo (Rm 14.15; 2 Co 6.3)
Exerce má influência (Rm 14.15)
Impede o crescimento da obra (At 28.31)
Forma juízo geral sobre demais irmãos (1 Co 6.8).

TIPOS COMUNS DE MAU TESTEMUNHO DO CRENTE
No lar - brigas, desmandos, autoridade excessiva, gritos, confusões, conversações, mentiras.
Na rua - Companhias, vestes, falar, proceder, comentários sobre vida alheia.
No comércio - Compras e não pagamento, emissão de cheque sem fundo, trambiques.
Na igreja - Vestimentas, comportamento, falar, proceder, respeito, amor e prática.
Na escola - Companhias, conversações, piadas, abjuração, negação.
No trabalho - Conversações, procedimentos, pontualidade, assiduidade e respeito, negação.
Na vizinhança - Conversações, procedimentos, brigas, desrespeito, comentários da vida alheia.

Obras Consultadas:
HARBIN, Chrístopher B. A Vida Discipulada, Lição 9. Imprensa Bíblica Brasileira, 1998).

Carlos Kleber Maia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Temas para Missões

Frases marcantes de: Oswald Smith

Esboço de Sermão: Josué - Vencendo os Desafios da Vida