Artigo Teológico: A existência de Deus


Vivemos num universo cuja imensidão pressupõe um Criador poderoso, universo cuja beleza, desenho e ordem apontam um sábio Legislador. Mas quem fez o Criador? Podemos recuar no tempo, indo da causa para o efeito, mas não podemos continuar nesse processo de recuo sem reconhecer um ser "Sempiterno". Aquele ser eterno é Deus, o Eterno, a Causa e a Origem de todas as coisas boas que existem.


 I. A existência de Deus

1. Sua existência declarada.

Em parte alguma as Escrituras tratam de provar a existência de Deus mediante provas formais. Reconhece-se como fato auto-evidente e como crença natural do homem. As Escrituras em parte alguma propõem uma série de provas da existência de Deus como preliminar à fé; declaram o fato de Deus e chamam o homem a aventurar-se na fé. "O que se chega a Deus, creia que há Deus", é o ponto inicial na relação entre o homem e Deus.
A Bíblia, em verdade, fala de homens que dizem em seus corações que não há Deus, mas esses são "tolos", isto é, os ímpios praticantes que expulsariam a Deus dos seus pensamentos porque já o expulsaram das suas vidas. Esses pertencem ao grande número de ateus praticantes, isto é, esses que procedem e falam como se não existisse Deus. Seu número ultrapassa em muito o número de ateus teóricos, isto é, esses que pretendem aderir à crença intelectual que nega a existência de Deus. Note-se que a declaração " não há Deus" não implica dizer que Deus não exista, mas sim que Deus não se ocupa com negócios do mundo. Contando com a sua ausência, os homens corrompem-se e se comportam de maneira abominável. (Sal. 14.)
Assim escreve o Dr. A. B. Davidson: (a Bíblia) não tenta demonstrar a existência de Deus, porque em todas as partes da Bíblia subentende-se a sua existência. Parece não haver nenhuma passagem no Antigo Testamento que represente os homens procurando conhecer a existência de Deus por meio da natureza ou pelos eventos da providência, embora haja algumas passagens que impliquem que as idéias falsas sobre a natureza de Deus podem ser corrigidas pelo estudo da natureza e da vida... O Antigo Testamento cogita tão pouco da possibilidade de conhecer a Deus quanto cogita de provar a sua existência. Por que os homens argumentariam sobre o conhecimento de Deus quando já estavam persuadidos de que o conheciam, cônscios de estarem em comunhão com ele, estando seus pensamentos cheios e iluminados por ele, sabendo que seu Espírito neles movia, e guiava-os em toda a sua história?
A idéia de que o homem chega ao conhecimento ou à comunhão com Deus por meio de seus próprios esforços é totalmente estranha ao Antigo Testamento. Deus fala; ele aparece; o homem ouve e vê. Deus aproxima-se dos homens; estabelece um concerto ou relação especial com eles; e dá-lhes mandamentos. Eles o recebem quando ele se aproxima: aceitam a sua vontade e obedecem aos seus preceitos. Moisés e os profetas em parte alguma são representados como pensadores refletindo sobre o Invisível, formando conclusões acerca dele, ou alcançando conceitos elevados da Divindade. O Invisível manifesta-se-lhes, e eles o conhecem.
Quando um homem diz: "Eu conheço o presidente", ele não quer dizer: "Eu sei que o presidente existe," porque isso se subentende na sua declaração. Da mesma maneira os escritores bíblicos nos dizem que conhecem a Deus e essas declarações significam a sua existência.

2. Sua existência provada.


Se as Escrituras não oferecem nenhuma demonstração racional da existência de Deus, por que vamos nós fazer essa tentativa? Pelas seguintes razões:
Primeiramente, para convencer os que genuinamente buscam a Deus, isto é, pessoas cuja fé tem sido ofuscada por alguma dificuldade, e que dizem: "Eu quero crer em Deus; mostra-me que seja razoável crer nele." Mas evidência nenhuma convencerá a pessoa, que, por desejar continuar no pecado e no egoísmo, diz: "Desafio-te a provar que Deus existe." Afinal, a fé é questão moral e não intelectual. Se a pessoa não está disposta a aceitar, ela porá de lado todas e quaisquer evidências. (Luc. 6:31.)
Segundo, para fortalecer a fé daqueles que já crêem. Eles estudam as provas, não para crer, mas sim porque já crêem. Esta fé lhes é tão preciosa que aceitarão com alegria qualquer fato que a faça aumentar ou enriquecer.
Finalmente, para poder enriquecer nosso conhecimento acerca da natureza de Deus. Que maior objeto de pensamento e estudo existe do que ele?
Onde acharemos evidências da existência de Deus? Na criação, na natureza humana e na história humana. Dessas três esferas deduzimos as cinco evidências da existência de Deus:
1) O universo deve ter uma Primeira Causa ou um Criador. (Argumento cosmológico, da palavra grega "cosmos", que significa "mundo".)
2) O desígnio evidente no universo aponta para uma Mente Suprema. (Argumento teleológico, de "Teleos", que significa "desígnio ou propósito".)
3) A natureza do homem, com seus impulsos e aspirações, assinala a existência de um Governador pessoal. (Argumento antropológico, da palavra grega "anthropos", que significa "homem".)
4) A história humana dá evidências duma providência que governa sobre tudo. (Argumento histórico.)
5) A crença é universal. (Argumento do consenso comum.)

(a) O argumento da criação. A razão argumenta que o universo deve ter tido um princípio. Todo efeito deve ter uma causa suficiente. O universo, sendo o efeito, por conseguinte deve ter uma causa. Consideremos a extensão do universo. Nas palavras de Jorge W. Grey: "O universo, como o imaginamos, é um sistema de milhares e milhões de galáxias. Cada uma delas se compõe de milhares e milhões de estrelas. Perto da circunferência de uma dessas galáxias — a Via Láctea — existe uma estrela de tamanho médio e temperatura moderada, já amarelada pela velhice — que é o nosso Sol." E imaginem que o Sol é milhões de vezes maior que a nossa pequena Terra! Prossegue o mesmo escritor: "O Sol está girando numa orbita vertiginosa em direção à circunferência da Via Láctea a 19.300 metros por segundo, levando consigo a Terra e todos os planetas, e ao mesmo tempo todo o sistema solar está girando num gigantesco circuito à velocidade incrível de 321 quilômetros por segundo, enquanto a própria galáxia gira, qual colossal roda gigante estelar. Fotografando-se algumas seções dos céus, é possível fazer a contagem das estrelas.
No observatório de Harvard College eu vi uma fotografia que inclui as imagens de mais de 200 Vias Lácteas — todas registradas numa chapa fotográfica de 35 x 42cm. Calcula-se que o número de galáxias de que se compõe o universo é da ordem de 500 milhões de milhões."
Consideremos nosso pequeno planeta e nele as várias formas de vida existentes, as quais revelam inteligência e desígnio divinos.
Naturalmente surge a questão: "Como se originou tudo isso?" A pergunta é natural, pois as nossas mentes são constituídas de tal forma que esperam que todo efeito tenha uma causa. Logo, concluímos que o universo deve ter tido uma Primeira Causa, ou um Criador. "No princípio — Deus" (Gên. 1:1).
Dum modo singelo este argumento é exposto no seguinte incidente:
Disse um jovem cético a uma idosa senhora: — Outrora eu cria em Deus, mas agora, desde que estudei filosofia e matemática, estou convencido de que Deus não é mais do que uma palavra oca.
 — Bem — disse a senhora — é verdade que eu não aprendi essas coisas, mas desde que você já aprendeu, pode me dizer donde veio este ovo?
 — Naturalmente duma galinha — foi a resposta.
 — E donde veio a galinha?
 — Naturalmente dum ovo.
Então indagou a senhora: — Permita-me perguntar: qual existiu primeiro, a galinha ou o ovo?
— A galinha, por certo — respondeu o jovem.
— Oh, então, a galinha existia antes do ovo?
— Oh, não, devia dizer que o ovo existia primeiro.
— Então, eu suponho que você quer dizer que o ovo existia antes da galinha.
O moço vacilou: — Bem, a senhora vê, isto é, naturalmente, bem, a galinha existiu primeiro.
— Muito bem — disse ela —, quem criou a primeira galinha de que vieram todos os sucessivos ovos e galinhas?
— Que é que a senhora quer dizer com tudo isto? — perguntou ele.
— Simplesmente isto — replicou ela: — Digo que aquele que criou o primeiro ovo ou a primeira galinha é aquele que criou o mundo. Você nem pode explicar, sem Deus, a existência dum ovo ou duma galinha, e ainda quer que eu creia que você pode explicar, sem Deus, a existência do mundo inteiro!

(b) O argumento do desígnio. O desígnio e a formosura evidenciam-se no universo; mas o desígnio e a formosura implicam um arquiteto; portanto, o universo é a obra dum Arquiteto dotado de inteligência suficiente para explicar sua obra. O grande relógio de Estrasburgo tem, além das funções normais dum relógio, uma combinação de luas e planetas que se movem, mostrando dias e meses com a exatidão dos corpos celestes, com seus grupos de figuras que aparecem e desaparecem com regularidade igual ao soarem as horas no grande cronômetro.
Declarar não ter havido um engenheiro que construiu o relógio, e que este objeto "aconteceu", seria insultar a inteligência e a razão humana. É insensatez presumir que o universo "aconteceu", ou, em linguagem cientifica, que procedeu "do concurso fortuito dos átomos"!
Suponhamos que o livro "O Peregrino" fosse descrito da seguinte maneira: o autor tomou um vagão de tipos de imprensa e com pá os atirou ao ar. Ao caírem no chão, natural e gradualmente se ajuntaram de maneira a formar a famosa história de Bunyan. O homem mais incrédulo diria: que absurdo! E a mesma coisa dizemos nós das suposições do ateísmo em relação à criação do universo.
O exame dum relógio revela que ele leva os sinais de desígnio porque as diversas peças são reunidas com um propósito prévio. Elas são colocadas de tal modo que produzem movimentos e esses movimentos são regulados de tal maneira que marcam as horas. Disso inferimos duas coisas: primeiramente, que o relógio teve alguém que o fez, e em segundo lugar, que o seu fabricante compreendeu a sua construção, e o projetou com o propósito de marcar as horas. Da mesma maneira, observamos o desígnio e a operação dum plano no mundo e, naturalmente, concluímos que houve alguém que o fez e que sabiamente o preparou para o propósito ao qual está servindo.
O fato de nunca termos observado a fabricação dum relógio não afetaria essas conclusões, mesmo que nunca conhecêssemos um relojoeiro, ou que jamais tivéssemos idéia do processo desse trabalho. Igualmente, a nossa convicção de que o universo teve um arquiteto, de forma nenhuma sofre alteração pelo fato de nunca termos observado a sua construção, ou de nunca termos visto o arquiteto.
Do mesmo modo a nossa conclusão não se alteraria se alguém nos informasse que "o relógio é resultado da operação das leis da mecânica e explica-se pelas propriedades da matéria". Ainda assim teremos que considerá-lo como obra dum hábil relojoeiro que soube aproveitar essas leis da física e suas propriedades para fazer funcionar o relógio. Da mesma forma, quando alguém nos informa que o universo é simplesmente o resultado da operação das leis da natureza, nós nos vemos constrangidos a perguntar: "Quem projetou, estabeleceu e usou essas leis?" Isso, em razão de ser implícita a presença de um legislador uma vez que existem leis.
Tomemos, para ilustrar, a vida dos insetos. Há uma espécie de escaravelho chamado "Staghom" ou "Chifrudo". O macho tem magníficos chifres, duas vezes mais compridos do que o seu corpo; a fêmea não tem chifres. No estágio larval, eles enterram-se a si mesmos na terra e, silenciosamente, esperam na escuridão pela sua metamorfose. São naturalmente meros insetos, sem nenhuma diferença aparente e, no entanto, um deles escava para si um buraco duas vezes mais profundo do que o outro. Por quê? Para que haja espaço para os chifres do macho se desenvolverem com perfeição. Por que essas larvas, aparentemente iguais, diferem assim em seus hábitos? Quem ensinou o macho a cavar seu buraco duas vezes mais profundo do que o faz a fêmea? é o resultado dum processo racional? Não, foi Deus, o Criador, quem pôs naquelas criaturas a percepção instintiva que lhes seria útil.
De onde recebeu esse inseto a sua sabedoria? Alguém talvez pense que a herdara de seus pais. Mas um cão ensinado, por exemplo, transmite à sua descendência sua astúcia e agilidade? Não.
Mesmo que admitamos que o instinto fosse herdado, ainda deparamos com o fato de que alguém havia instruído o primeiro escaravelho chifrudo. A explicação do maravilhoso instinto dos animais acha-se nas palavras do primeiro capítulo de Gênesis: "E disse Deus" — isto é: a vontade de Deus. Quem observa o funcionamento dum relógio sabe que a inteligência não está no relógio mas sim no relojoeiro. E quem observa o instinto maravilhoso das menores criaturas, concluirá que a primeira inteligência não era a delas, mas sim do seu Criador, e que existe uma Mente controladora dos menores detalhes da vida.
O Dr. Whitney, ex-presidente da Sociedade Americana e membro da Academia Americana de Artes e Ciências, certa vez disse que "um dia repele o outro pela vontade de Deus e ninguém pode dar razão melhor." "Que quer o senhor dizer com a expressão: a vontade de Deus?" alguém lhe perguntou. O Dr. Whitney replicou: "Como o senhor define a luz? ...Existe a teoria corpuscular, a teoria de ondas, e agora a teoria do quantum; e nenhuma das teorias passa duma conjetura educada. Com uma explicação tão boa como essas, podemos dizer que a luz caminha pela vontade de Deus... A vontade de Deus, essa lei que descobrimos, sem a podermos explicar — é a única palavra final."
O Sr. A. J. Pace, desenhista do periódico evangélico "Sunday School Times", fala de sua entrevista com o finado Wilson J. Bentley, perito em microfotografia (fotografar o que se vê através do microscópio). Por mais de um terço de século esse senhor fotografou cristais de neve. Depois de haver fotografado milhares desses cristais ele observou três fatos principais: primeiro, que não havia dois flocos iguais; segundo: todos eram de um padrão formoso; terceiro: todos eram invariavelmente de forma sextavada. Quando lhe perguntaram como se explicava essa simetria sextavada, ele respondeu: "Decerto, ninguém sabe senão Deus, mas a minha teoria é a seguinte: Como todos sabem, os cristais de neve são formados de vapor de água a temperaturas abaixo de zero, e a água se compõe de três moléculas, duas de hidrogênio que se combinam com uma de oxigênio. Cada molécula tem uma carga de eletricidade positiva e negativa, a qual tem a tendência de polarizar-se nos lados opostos. O algarismo três, portanto, figura no assunto desde o começo."
"Como podemos explicar estes pontinhos tão interessantes, as voltas e as curvas graciosas, e estas quinas chanfradas tão delicadamente cinzeladas, todas elas dispostas com perfeita simetria ao redor do ponto central?" perguntou o Sr. Pace.
Encolheu os ombros e disse: "Somente o Artista que os desenhou e os modelou conhece o processo."
Sua declaração acerca do "algarismo três que figura no assunto" me pôs a pensar. não seria então que o triúno Deus, que modela toda a formosura da criação, rubrica a própria trindade nestas frágeis estrelas de cristal de gelo como quem assina seu nome em sua obra-prima? Ao examinar os flocos de neve ao microscópio, vê-se instantaneamente que o princípio básico da estrutura do floco de neve é o hexágono ou a figura de seis lados, o único exemplo disso em todo o reino da geometria a este respeito. O raio do circulo circunscrevente é exatamente igual ao comprimento de cada um dos seis lados do hexágono. Portanto, resultam seis triângulos eqüiláteros reunidos ao núcleo central, sendo todos os ângulos de sessenta graus, a terça parte de toda a área num lado duma linha reta. Que símbolo sugestivo do triúno Deus é o triângulo! Aqui temos unidade: um triângulo, formado de três linhas, cada parte indispensável à integridade do conjunto.
A curiosidade agora me impeliu a examinar as referências bíblicas sobre a palavra "neve", e descobri, com grande prazer, este mesmo "triângulo" inerente na Bíblia. Por exemplo, há 21 (3 x 7) referências contendo o substantivo "neve" no Antigo Testamento, e 3 no Novo Testamento, 24 ao todo. Então achei referencias, que falam da "lepra tão branca como a neve". Três vezes a purificação do pecado é comparada à neve. Achei mais três que falam de roupas "tão brancas como a neve". Três vezes a aparência do Filho de Deus compara-se à neve. Mas a maior surpresa foi ao descobrir que a palavra hebraica, "neve", é composta inteiramente de algarismos "três"! É fato, embora não seja geralmente conhecido que, não tendo algarismos, tanto os hebreus como os gregos usavam as letras do seu alfabeto como algarismos. Bastava um olhar casual de um hebreu à palavra SHELEG (palavra hebraica que quer dizer "neve") para ver que ela significa o algarismo 333, bem como significa "neve". No hebraico a primeira letra, que corresponde à nossa "SH", vale 3OO; a segunda consoante "L" vale 30; e a consoante final, o nosso "G", vale 3. Somando-as, temos 333, três algarismos de três. Curioso, não é verdade? Mas por que não esperar exatidão matemática dum livro plenamente inspirado, tão maravilhoso quanto o mundo que Deus criou?
Acerca de Deus disse Jo: "Faz grandes coisas que não podemos compreender. Pois diz à neve: Cai sobre a terra" (Jo 37:5, 6). Eu já gastei dois dias inteiros para copiar com pena e tinta o desenho de Deus de seis cristais de neve e fiquei muito fatigado. E como é fácil para ele fazê-lo! "Ele diz à neve" — e com uma palavra está feito.
Imaginem quantos milhões de bilhões de cristais de neve caem sobre um hectare de terra durante uma hora, e imaginem, se puderem, o fato surpreendente de que cada cristal tem sua individualidade própria, um desenho e modelo sem duplicata nesta ou em qualquer outra tempestade. "Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim; elevado é, não o posso atingir" (Sal. 139:6). Como pode uma pessoa ajuizada, diante de tal evidência de desígnios, multiplicados por um sem-número de variedades, duvidar da existência e da obra do Desenhista, cuja capacidade é imensurável?! Um Deus capaz de fazer tantas belezas é capaz de tudo, até mesmo de moldar as nossas vidas dando-lhes beleza e simetria.

(c) O argumento da natureza do homem. O homem dispõe de natureza moral, isto é, a sua vida é regulada por conceitos do bem e do mal. Ele reconhece que há um caminho reto de ação que deve seguir e um caminho errado que deve evitar. Esse conhecimento chama-se "consciência". Ao fazer ele o bem, a consciência o aprova; ao fazer ele o mal, ela o condena. A consciência, seja obedecida ou não, fala com autoridade. Assim disse Butier acerca da consciência: "Se ela tivesse poder na mesma proporção de sua autoridade manifesta, governaria o mundo, isto é, se a consciência tivesse a força de pôr em ação o que ordena, ela revolucionaria o mundo." Mas acontece que o homem é dotado de livre arbítrio e, portanto, pode desobedecer àquela voz íntima. Mesmo estando mal orientada, sem esclarecimento, a consciência ainda fala com autoridade, e faz o homem sentir sua responsabilidade.
"Duas coisas me impressionam", declarou Kant, o grande filosofo alemão, "o alto céu estrelado e a lei moral em meu interior."
Qual a conclusão que se tira deste conhecimento universal do bem e do mal? Que há um Legislador que idealizou uma norma de conduta para o homem e fez a natureza humana capaz de compreender esse ideal. A consciência não cria o ideal; ela simplesmente testifica acerca dele, registrando a sua conformidade ou não-conformidade.
Quem originalmente criou esses dois poderosos conceitos do bem e do mal? Deus, o Justo Legislador! O pecado ofuscou a consciência e quase anulou a lei do ser humano; mas no Monte Sinai Deus gravou essa lei em pedras para que o homem tivesse a lei perfeita para dirigir a sua vida. O fato de que o homem compreende esta lei, e sente a sua responsabilidade para com ela, manifesta a existência dum Legislador que criou o homem com essa capacidade.
Qual é a conclusão que podemos tirar desse sentimento de responsabilidade? Que o Legislador é também um Juiz que recompensar os bons e castigar os maus. Aquele que impôs a lei finalmente defenderá essa lei.
 Não somente a natureza moral do homem, como também todos os aspectos da sua natureza testificam da existência de Deus. Até as religiões mais degradadas demonstram o fato de que o homem, qual cego, tateando, procura algo que sua alma anela. A fome física indica a existência de algo que a possa satisfazer. Quando o homem tem fome, essa fome indica que há alguém ou algo que o possa satisfazer. A exclamação, "a minha alma tem sede de Deus" (Sal. 42:2), é um argumento a favor da existência de Deus, pois a alma não enganaria o homem com sede daquilo que não existisse. Assim disse certa vez um erudito da igreja primitiva: "Para ti nos fizeste, e nosso coração estará inquieto enquanto não encontrar descanso em ti."

(d) O argumento da história. A marcha dos eventos da história universal fornece evidência de um poder e duma providência dominantes. Toda a história bíblica foi escrita para revelar Deus na história, isto é, para ilustrar a obra de Deus nos negócios humanos. "Os princípios do divino governo moral encontram-se na história das nações tanto quanto na experiência dos homens", escreve D. S. Clarke. (Sal. 75:7; Dan. 2:21; 5:21.) "O protestantismo inglês vê a derrota da Armada Espanhola como uma intervenção divina. A colonização dos Estados Unidos por imigrantes protestantes salvou-os da sorte da América do Sul, e desta maneira salvou a democracia. Quem negaria que a mão de Deus estivesse nesses acontecimentos?" A história da humanidade, o surgimento e declínio de nações, como Babilônia e Roma, mostram que o progresso acompanha o uso das faculdades dadas por Deus e a obediência à sua lei, e que o declínio nacional e a podridão moral seguem a desobediência" (D. L. Pierson). A. T. Pierson, em seu livro, "Os Novos Atos dos Apóstolos", expõe as evidências da dominante providência de Deus nas missões evangélicas modernas.
Especialmente o modo de Deus tratar com os indivíduos fornece provas de sua ativa presença nos negócios humanos. Charles Bradiaugh, que foi em certo tempo o ateu mais notável na Inglaterra, desafiou o pastor Charles Hughá Price, para um debate.
Foi aceito o desafio e o pregador, por sua vez, desafiou o ateu da seguinte maneira: Como todos sabemos, Sr. Bradiaugh, "o homem convencido contra a própria vontade mantém sempre seu ponto de vista", e, visto que o debate, como ginástica mental que é, provavelmente não converterá a ninguém, proponho-lhe que apresentemos algumas evidências concretas da validade das reivindicações do cristianismo na forma de homens e mulheres redimidos da vida mundana e vergonhosa pela influência do cristianismo e pela do ateísmo. Eu trarei cem desses homens e mulheres, e desafio-o a fazer o mesmo.
Se o Sr. Bradiaughá não puder apresentar cem, contra os meus cem, ficarei satisfeito se trouxer cinqüenta homens e mulheres que se levantem e testifiquem que foram transformados duma vida vergonhosa pela influência dos seus ensinos ateus. Se não puder apresentar cinqüenta, desafio-o a apresentar vinte pessoas que testifiquem com rostos radiantes, como o farão os meus cem, que tenham um grande e novo gozo na sua vida elevada, em resultado dos ensinos ateus. Se não puder apresentar vinte, ficarei satisfeito se apresentar dez. Não, Sr. Bradiaugh, desafio-o a trazer um só homem ou uma só mulher que dê tal testemunho acerca da influência enobrecedora dos seus ensinos. Minhas pessoas redimidas trarão prova irrefutável quanto ao poder salvador de Jesus Cristo sobre as suas vidas redimidas da escravidão do pecado e da vergonha.
Talvez, senhor Bradiaugh, essa será a verdadeira demonstração da validade das reivindicações do cristianismo.
O Sr. Bradiaughá retirou o seu desafio!

(e) O argumento da crença universal. A crença na existência de Deus é praticamente tão difundida quanto a própria raça humana, embora muitas vezes se manifeste em forma pervertida ou grotesca e revestida de idéias supersticiosas. Esta opinião tem sido contestada por alguns que argumentam existirem raças que não têm a menor concepção de Deus. Mas o Sr. Jevons, autoridade no assunto de raças e religiões comparadas, diz que esta opinião, "Como é do conhecimento de todos os antropólogos, já foi para o limbo das controvérsias mortas... todos concordam que não existem raças, por mais primitivas que sejam, totalmente destituídas de concepção religiosa! Embora alguém cite exceções, sabemos que a exceção não inutiliza a regra. Por exemplo, se fossem encontrados alguns seres humanos inteiramente destituídos de todo sentimento humano e compaixão, isso não serviria de base para dizer que o homem é essencialmente uma criatura destituída de sentimentos. A presença de cegos no mundo não prova que todos os homens são cegos." Como disse William Evans: "o fato de certas nações não conhecerem a tabuada de multiplicação não afeta a aritmética."
Como se originou esta crença universal? A maior parte dos ateus parece imaginar que um grupo de teólogos se tenha reunido em sessão secreta na qual inventaram a idéia de Deus, a qual depois apresentaram ao povo. Mas os teólogos não inventaram Deus como também os astrônomos não inventaram as estrelas, nem os botânicos as flores. É certo que os antigos mantinham idéias erradas acerca dos corpos celestes, mas esse fato não nega a existência dos corpos celestes. E visto que a humanidade já teve idéias defeituosas acerca de Deus, isso implica que existe um Deus acerca do qual podiam ter noções errôneas.
Este conhecimento universal não se originou necessariamente pelo raciocínio, porque há homens de grande capacidade de raciocínio que também negam a existência de Deus. Mas é evidente que o mesmo Deus que fez a natureza, com suas belezas e maravilhas, fez também o homem dotado de capacidade para observar, através da natureza, o seu Criador. "Porquanto, o que se pode conhecer de Deus, neles está manifesto; pois Deus lho manifestou. As perfeições invisíveis dele, o seu poder eterno, e a sua divindade, claramente se vêem desde a criação do mundo, sendo percebidas pelas suas obras" (Rom. 1:19, 20). Deus não fez o mundo sem deixar certos sinais, sugestões e evidências claras, que falam das obras das suas mãos. "Mas os homens conhecendo a Deus, não o glorificaram como Deus, nem deram graças, antes se enfatuaram nas suas especulações e ficou em trevas o seu coração insensato" (Rom. 1:21). O pecado fez embaçar a sua visão; perderam de vista a Deus e, em vez de ver a Deus através da criatura, desprezaram-no pela ignorância e adoraram a criatura. Foi desta maneira que começou a idolatria. Mas até isto prova que o homem é criatura adoradora e que forçosamente procura um objeto de culto.
Esta crença universal em Deus é prova de quê? É prova de que a natureza do homem é de tal maneira constituída que é capaz de compreender e apreciar essa idéia, como o expressou certo escritor: "O homem é incuravelmente religioso", que no sentido mais amplo inclui: (1) A aceitação do fato da existência dum ser acima das forças da natureza. (2) Um sentimento de dependência de Deus como quem domina o destino do homem; este sentimento é despertado pelo pensamento de sua própria debilidade e pequenez e pela magnitude do universo. (3) A convicção de que se pode efetuar uma união amistosa e que nesta união ele, o homem, achará segurança e felicidade. Desta maneira vemos que o homem, por natureza, é constituído para crer na existência de Deus, para confiar na sua bondade, e para adorar em sua presença.
Este "sentimento religioso" não se encontra nas criaturas inferiores. Por exemplo, perderia seu tempo quem procurasse ensinar religião ao mais elevado dos tipos de símios. Mas o mais inferior dos homens pode ser instruído nas coisas de Deus. Por quê? Falta ao animal a natureza religiosa — não é feito à imagem de Deus; o homem possui natureza religiosa e procura um objeto de adoração.

3. Sua existência negada.

O ateísmo consiste na negação absoluta da idéia de Deus. Alguns duvidam que haja verdadeiros ateus; mas se os houver, é impossível provar que estejam sinceramente buscando a Deus ou que sejam logicamente coerentes.
Visto que são os ateus que se opõem às convicções mais profundas e mais fundamentais da raça humana, a responsabilidade de provar a não-existência de Deus recai sobre eles. não podem sincera e logicamente dizer-se ateus enquanto não apresentarem provas irrefutáveis de que de fato Deus não existe. Inegavelmente, a evidência da existência de Deus ultrapassa de muito a evidência contra a sua existência. Nesta conexão, D. S. Clarke escreve: Uma pequena prova demonstrará que há Deus, porquanto nenhuma prova, por maior que seja, pode atestar a sua não-existência. As pegadas de uma ave sobre uma rocha junto ao mar provariam que em algum tempo um pássaro visitou as terras adjacentes ao Atlântico. Mas antes que se declarasse que pássaro nenhum jamais estivera por ali, seria necessário conhecer a história inteira dessa costa desde o começo da vida no globo terrestre. Um pouco de evidência demonstrará que existe Deus. Antes que se diga que não há Deus, devem-se analisar todos os elementos do universo; devem-se investigar todas as forças mecânicas, elétricas, biológicas, mentais e espirituais — deve-se ter conhecimento de todos os seres e compreendê-los completamente; deve-se estar em todos os pontos do espaço a um só tempo, para que possivelmente Deus não esteja em alguma outra parte e assim escape à sua atenção. Essa pessoa deve ser onipotente, onipresente, eterna; de fato, essa mesma pessoa deve ser Deus antes que ela afirme dogmaticamente que não há Deus. Por muito estranho que pareça, somente Deus, cuja existência o ateu nega, teria essa capacidade de provar que não há Deus!
Outrossim, mesmo a mais remota possibilidade de que existe um Soberano moral põe sobre o homem imensa responsabilidade, e a conclusão ateísta é inaceitável enquanto a inexistência de Deus não for demonstrada de maneira irrefutável.
A posição contraditória ateísta demonstra-se no fato de que muitos ateus, ao se encontrarem em perigo ou em dificuldades, têm orado. Quantas vezes, tempestades e lutas da vida têm varrido seu refúgio teórico, revelando os alicerces espirituais, e demonstrando comportamento humano. Dizemos "humano" porque aquele que nega a existência de Deus abala e suprime os instintos e impulsos mais profundos e nobres da alma. Como disse Pascal: "O ateísmo é uma enfermidade." Quando o homem perde a fé em Deus não é devido aos argumentos ( não importa a lógica aparente com que se apresente a sua negação), mas "a algum desastre, traição, ou negligência íntimos ou algum ácido corrosivo destilado em sua alma que dissolveu a pérola de grande preço".
O seguinte incidente, contado por um fidalgo russo, esclarecer este assunto:
Foi em novembro de 1917, quando os bolcheviques venceram o governo de Kerensky e iniciaram um reinado de terror. O fidalgo estava na casa de sua mãe, tomado de constante medo de ser preso. A campainha da porta tocou e o criado que atendeu trouxe um cartão de visita com o nome do Príncipe Kropotkin — o próprio pai do anarquismo. Ele entrou e pediu permissão para examinar o apartamento. Não havia outra coisa a fazer a não ser permitir-lhe entrar, porque evidentemente estava autorizado a dar busca e até mesmo a requisitar a casa.
"A minha mãe permitiu-lhe passar adiante", diz o narrador. "Entrou num quarto e depois em outro, sem parar, como se tivesse morado ali antes e conhecesse a ordem dos cômodos. Entrou na sala de jantar; olhou em redor e, de repente, dirigiu-se ao quarto ocupado por minha mãe.
 — Oh! me perdoe — disse minha mãe, quando o Príncipe ia abrir a. porta — ; é meu quarto de dormir.
Ele parou por um instante diante da porta, olhou para a minha mãe então, como se estivesse envergonhado, e com voz trêmula, disse rapidamente:
 — Sim, sim, eu sei. Perdoe-me, mas preciso entrar neste quarto!
Pôs a mão na maçaneta e lentamente começou a abrir a porta, e então repentinamente fechou-a atrás de si depois de entrar. "Fiquei tão agitado diante da conduta do Príncipe que me vi tentado a olhar. O Príncipe Kropotkin estava ajoelhado orando ante o oratório no quarto de minha mãe. Eu o vi ajoelhado fazer o sinal da cruz; não vi seu rosto nem seus olhos, pois o via por trás. Sua figura ajoelhada e sua oração fervorosa, fizeram-no parecer tão humilde enquanto sussurrava vagarosamente a reza. Estava tão ocupado que nem notou a minha presença." "De repente toda a minha ira e meu ódio contra esse homem tinham-se evaporado, qual cerração ante os raios do sol. Tão comovido fiquei que cuidadosamente cerrei a porta."O Príncipe Kropotkin permaneceu no quarto de minha mãe talvez vinte minutos. Finalmente saiu com o ar dum menino que tivesse cometido uma falta, e nem levantou os olhos, como que reconhecendo o seu erro. Entretanto, havia um sorriso no seu rosto. Chegou perto da minha mãe, tomou-lhe a mão, beijou-a e logo disse em voz muito baixinha: — Agradeço-lhe muito por haver-me permitido esta visita à sua casa. Não fique nervosa comigo... a Sra. vê, foi neste quarto que morreu a minha mãe. Foi grande consolação para mim, estar outra vez no seu quarto. Obrigado, muito obrigado." A sua voz tremia, e seus olhos estavam umedecidos. Logo se despediu e desapareceu. "Esse homem, apesar de ser anarquista, revolucionário, e ateu — ainda orou!
Não é evidente que ele ficou ateu porque esmagou os sentimentos mais profundos de sua alma? O ateísmo é um crime contra a sociedade, pois destrói o único fundamento da moral e da justiça — um Deus pessoal que põe sobre o homem a responsabilidade de guardar as suas leis. Se não há Deus, então não há lei divina, e todas as leis são do homem. Mas por que se deve proceder legalmente? Por que um homem, ou grupo de homens o ordenam? É possível que haja pessoas dotadas de relativa nobreza de espírito, e que essas façam o bem e sejam direitas, sem, contudo, possuírem crença em Deus, mas para a grande massa da humanidade existe somente uma sanção para fazer o que é reto e isso é — "Assim diz o Senhor", o Juiz dos vivos e dos mortos, o poderoso Governador do destino eterno.
Remover isso é destruir os fundamentos da sociedade humana.
Comenta James M. Gillis: O ateu é como um ébrio cambaleante que entra num laboratório de pesquisas e começa a ajuntar certas substâncias químicas que o podem destruir, bem como a tudo ao seu derredor. Na verdade, o ateu está facilitando com forças mais misteriosas e mais poderosas que qualquer coisa que existe nos tubos de ensaios; mais misteriosas do que o muito falado raio da morte. Nem se pode imaginar qual seria o resultado se um ateu realmente extinguisse a fé em Deus; toda a trágica história deste planeta não registra um só evento que ilustre tal cataclismo universal que se verificaria.
O ateísmo é crime contra o homem. Ele procura arrancar do coração do homem o anelo pelas coisas espirituais, sua fome e sede do infinito. Os ateus protestam contra os crimes que se praticaram em nome da religião; reconhecemos que a religião tom sido pervertida pelo sacerdotalismo e eclesiasticismo. Mas procurar apagar a idéia de Deus por ter havido abusos é tão absurdo quanto tentar arrancar o amor do coração humano porque em alguns casos esse amor se desvirtuou.
Extraido do Livro: Conhecendo as Doutrinas da Bíblia
Por: Myer Pearlman

Nota em Inglês:

We lived in an universe whose immensity presupposes a powerful Creator, universe whose beauty, drawing and order point a wise person Legislator. But who made the Creator? We can retreat in the time, going of the cause to the effect, but we cannot continue in that process of I retreat without recognizing a to be " Forever ". That to be eternal is God, the Eternal, the Cause and the Origin of all the good things that exist. 
 
 I. GOD'S EXISTENCE 
1. your declared existence. 
Partly some the Deeds prove the existence of God by formal proofs. It is recognized as solemnity-evident fact and as the man's natural faith. The Deeds partly some proposes a series of proofs of the existence of God as preliminary to the faith; they declare the fact of God and they call the man to venture in the faith. What is arrived to God, have faith that there is God ", it is the initial point in the relationship between the man and God.  
The Bible, truly, men's speech that say in your hearts that there is not God, but those healthy " one foolish ", that is, the practicing heretics that you/they would expel God of your thoughts because they already expelled him of your lives. Those belong to the great number of practicing atheists, that is, those that you/they proceed and they speak as if God didn't exist. Your number surpasses in a lot the number of theoretical atheists, that is, those that intend stick to the intellectual faith that denies the existence of God. Be noticed that the declaration " there is not God " he doesn't implicate to say that God doesn't exist, but that God is not in charge of with businesses of the world. Counting with your absence, the men are corrupted and they behave in an abominable way. (Salt. 14.)  
He/she/you writes like this Dr. A. B. Davidson: (the Bible) it doesn't try to demonstrate the existence of God, because everywhere of the Bible subentende-if your existence. He seems there not to be any passage in the Old Testament that represents the men trying to know the existence of God through the nature or for the events of the providence, although there are some passages that implicate that the false ideas on the nature of God can be corrected by the study of the nature and of the life... THE Old Testament cogitates little of the possibility so of knowing God as it cogitates of proving your existence. Why would the men argue on the knowledge of God when they were already persuaded that they knew him/it, conscious of they be in communion with him, being your full and illuminated thoughts for him, knowing that your Spirit in them moved, and did it guide them in all your history?  
The idea that the man arrives to the knowledge or the communion with God through your own efforts it is totally it finds strange to the Old Testament. God speaks; he appears; the man hears and he sees. God approaches of the men; it establishes a concert or special relationship with them; and he/she gives them commandments. They receive him/it when he approaches: they accept your will and they obey your precepts. Moisés and the prophets partly some is represented as thinkers contemplating on the Invisible, forming conclusions concerning him, or reaching high concepts of the Divinity. The Invisible manifest-if-them, and they know him/it.  
When a man says: " I know the president ", he doesn't want to say: " I know that the president exists, " because that if know in your declaration. In the same way the biblical writers tell us that know God and those declarations mean your existence.  
 
2. your proven existence.  
If the Deeds don't offer any rational demonstration of the existence of God, why are we going to do that attempt? For the following reasons: 
Firstly, to convince the ones that genuinely they look for God, that is, people whose faith has been obscured by some difficulty, and that say: " I want to have faith in God; it shows me that is reasonable to have faith in him ". But evidence none will convince the person, that, for wanting to continue in the sin and in the selfishness, he says: I " challenge you to prove that God exists ". After all, the faith is moral subject and non intellectual. If the person is not willing to accept, she will put aside all and any evidences. (Luc. 6:31.) 
As, to strengthen the faith of those that already have faith. They study the proofs, not to have faith, but because they already have faith. This faith is them so precious that will accept with happiness any fact that makes to increase her or to enrich. 
Finally, to enrich our knowledge concerning the nature of God. What larger thought object and does study exist of the one what him? 
Where will we find evidences of the existence of God? In the creation, in the human nature and in the human history. Of those three spheres we deduced the five evidences of the existence of God: 
1) the universe should have a First Cause or a Creator. (I argue cosmological, of the word Greek " cosmoses ", that means " world ".) 
2) the evident design in the universe appears for a Supreme Mind. (I argue teleologic, of " Teleos ", that means " design or purpose ".) 
3) the man's nature, with your pulses and aspirations, marks the existence of a personal Governor. (I argue anthropological, of the word Greek " anthropos ", that means " man ".) 
4) the human history gives evidences of a providence that governs on everything. (I argue historical.) 
5) the faith is universal. (I argue of the common consent.) 
 
(the) THE argument of the creation. The reason argues that the universe must have had a beginning. Every effect should have an enough cause. The universe, being the effect, consequently he/she should have a cause. Let us consider the extension of the universe. In Jorge W. Grey words: " The universe, as we imagined him/it, it is a system of thousands and millions of galaxies. Each one of them is composed of thousands and millions of stars. Close to the circumference of one of those galaxies - the Milky way - it exists a star of medium size and moderate temperature, already yellowish for the age - that is our Sun ". AND imagine that the Sun is millions of times adult than our small Earth! The same writer continues: " The Sun is rotating in an it vertiginous in direction to the circumference of the Milky way to 19.300 meters a second, taking with itself the Earth and all the planets, and at the same time the whole solar system is rotating in a gigantic circuit to the incredible speed of 321 kilometers a second, while the own galaxy rotates, which colossal wheel stellar giant. Being photographed some sections of the skies, it is possible to do the count of the stars. 
In Harvard College observatory I saw a picture that includes the images of more than 200 Milky ways - all registered in a photographic foil of 35 x 42cm. It is calculated that the number of galaxies that the universe is composed it is of the order of 500 million of million ". 
Let us consider our small planet and in him the several existent life forms, which reveal intelligence and divine design. 
Naturally the subject appears: " How did he arise all this "? is THE question natural, because our minds are constituted in such a way that you hope every effect has a cause. Therefore, we concluded that the universe must have had a First Cause, or a Creator. " At the beginning - God " (Gên. 1:1). 
In a simple way this argument is exposed in the following incident: 
A skeptical youth said a senior lady: - Formerly I create in God, but now, since I studied philosophy and mathematics, I am convinced that God is not more than a hollow word. 
 - Well - did you say - is it true that I didn't learn those things, but since you already learned, does it can me to say where this egg came from? 
 - Naturally of a chicken - it was the answer. 
 - And where did the chicken come from? 
 - Naturally of an egg. 
Then it investigated you: - Let us allow to wonder: which did exist first he, the chicken or the egg? 
- The chicken, for right - the youth answered. 
- Oh, then, did the chicken exist before the egg? 
- Oh, no, he/she should say that the egg existed first. 
- Then, I suppose that you want to say that the egg existed before the chicken. 
The young man hesitated: - Well, you see, that is, naturally, well, the chicken existed first. 
- Very well - did she say -, who did the first chicken create that all the successive eggs and chickens came? 
- What do you want to say with everything this? - he asked him.  
- Simply this - he/she replied her: - I say that that that created the first egg or the first chicken is that that created the world. You nor it can explain, without God, the existence of an egg or of a chicken, and he/she still wants me to believe that you can explain, without God, the existence of the whole world! 
 
(b) THE argument of the design. The design and the beauty are evidenced in the universe; but the design and the beauty implicate an architect; therefore, the universe is the work of an Architect endowed with enough intelligence to explain your work. The great clock of Estrasburgo has, besides the normal functions of a clock, a combination of moons and planets that move, showing days and months with the accuracy of the heavenly bodies, with your groups of illustrations that appear and they disappear equal regularly to the they sound the hours in the great chronometer.  
To declare not to have had an engineer that built the clock, and that this object " happened ", it would be to insult the intelligence and the human reason. It is foolishness to suppose that the universe " happened ", or, in language it informs, that came " from the fortuitous contest of the atoms "!  
Let us suppose that the book " THE Pilgrim " was described in the following way: the author took a wagon of press types and with shovel he threw them to the air. To the they fall in the ground, natural and gradually they joined from way to form the famous history of Bunyan. The most incredulous man would say: that absurd! And the same thing says us of the suppositions of the atheism in relation to the creation of the universe. 
The exam of a clock reveals that he takes the design signs because the several pieces are gathered with a previous purpose. They are placed so that they produce movements and those movements are regulated in such a way that you make an appointment. Of that we inferred two things: firstly, that the clock had somebody that made him/it, and in second place, that your manufacturer understood your construction, and it projected him/it with the purpose of marking the hours. In the same way, we observed the design and the operation of a plan in the world and, naturally, we concluded that there was somebody that made him/it and that wisely prepared him/it for the purpose to which is serving.  
The fact of we have never observed the production of a clock it would not affect those conclusions, even if we never knew a watchmaker, or that never had idea of the process of that work. Equally, our conviction that the universe had an architect, in way none suffers alteration for the fact of we have never observed your construction, or of we have never seen the architect.  
In the same way our conclusion would not lose temper if somebody informed us that " the clock is resulted of the operation of the laws of the mechanics and it is explained by the properties of the matter ". nevertheless we will have to consider him/it as work of a skilled watchmaker that knew how to take advantage of those laws of the physics and your properties to do the clock to work. In the same way, when somebody informs us that the universe is simply the result of the operation of the laws of the nature, we see constrained us to ask: " Who did project he, did it establish and did it use those laws "? That, in reason of the presence of a legislator to be implicit once laws exist.  
Let us take, to illustrate, the life of the insects. There is a type of called " scarab Staghom " or " Chifrudo ". THE male has magnificent horns, twice longer than your body; the female doesn't have horns. In the larval apprenticeship, they are buried themselves in the earth and, quietly, they wait in the darkness for your metamorphosis. They are naturally mere insects, without any apparent difference and, however, one of them digs twice for itself a hole deeper than the other. Why? So that there is space for the male's horns if they develop with perfection. Why those larvas, seemingly same, do they differ like this in your habits? Who did the male teach to dig your hole twice deeper than he makes him the female? is the result of a rational process? No, God, the Creator, who put in those creatures the instinctive perception was that would be them useful.  
Where did it receive that insect your wisdom from? Somebody perhaps thinks that had inherited her/it of your parents. But a taught dog, for instance, does it transmit to your your descent cunning and agility? No. 
Even if we admit that the instinct was inherited, we still came across the fact that somebody had instructed the first scarab corned. The explanation of the wonderful instinct of the animals is in the words of the first chapter of Gênesis: " And he/she said God " - that is: the will of God. Who observes the operation of a clock knows that the intelligence is not in the clock but yes in the watchmaker. And who observes the smallest creatures' wonderful instinct, it will conclude that the first intelligence was not the one of them, but of your Creator, and that a controlling Mind of the smallest details of the life exists. 
Dr. Whitney, former-president of the American Society and member of the American Academy of Arts and Sciences, certain time said that " one day repels the other for the will of God and nobody can give better " reason. " That wants you to say with the expression: the will of God "? did anybody ask him/her. Dr. Whitney replied: " How do you define the light? ...Existe the theory corpuscular, the theory of waves, and now the theory of the quantum; and none of the theories raisin of an educated conjecture. With an explanation as good as those, we can say that the light bed for the will of God... the will of God, that law that we discovered, without we could explain to her - it is the only final " word.  
Mr. A. J. Pace, designer of the evangelical " newspaper Sunday School Times ", speaks of your interview to the dead Wilson J. Bentley, expert in microphotograph (to photograph what sees her through the microscope). For more than a century third that gentleman photographed snow crystals. After having photographed thousands of those crystals he observed three main facts: first, that there were not two same flakes; as: all were of a beautiful pattern; third: all were invariably of form sixdev. When they asked him as that symmetry sixdev was explained, he answered: " Certainly, nobody knows except God, but my theory is the following: As all know, the snow crystals are formed from vapor of water to temperatures below zero, and the water is composed of three molecules, two of hydrogen that combine with one of oxygen. Each molecule has a load of positive and negative electricity, which has the tendency of polarizing in the opposed sides. The cipher three, therefore, it represents in the subject from the beginning ".  
" How can we explain such interesting ponts, the turns and the amusing curves, and these corners chamfered so daintily chiseled, all of them willing with perfect symmetry about of the central " point? did he/she ask Mr. Pace.  
It shrank the shoulders and he/she said: " Only the Artist that drew them and it modeled he/she knows them the process ".  
Your declaration concerning the " cipher three that represents in the subject " began me to think. would not it be then that the trhee only God, that models all the beauty of the creation, rubricates the own trhee only in these fragile stars of crystal of ice how who signs your name in your masterpiece? When examining the snow flakes to the microscope, he sees himself instantly that the basic beginning of the structure of the snow flake is the hexagon or the illustration of six sides, the only example of that in whole the kingdom of the geometry to this respect. The ray of the I circulate  it is exactly equal to the length of each one on the six sides of the hexagon. Therefore, they result six triangles  gathered to the central nucleus, being all the angles of sixty degrees, Tuesday leaves of the whole area on a side of a straight line. That suggestive symbol of the trhee only God is the triangle! Here we have unit: a triangle, formed of three lines, each indispensable part to the integrity of the group. 
The curiosity now impelled me to examine the biblical references on the word " it snows ", and I discovered, with great pleasure, this same " inherent triangle " in the Bible. For instance, there are 21 (3 x 7) references containing the noun " snows " in the Old Testament, and 3 in the New Testament, 24 to the whole. Then I found references, that speak about the leprosy as white as the snow ". Three times the purification of the sin is compared to the snow. I found more three that speak about clothes " as white as the snow ". Three times the appearance of Filho of God is compared to the snow. But the largest surprise went when discovering that the Hebraic word, " snows ", it is composed entirely of ciphers " three "! it is fact, although it is not usually known that, doesn't tend ciphers, as much the Hebrews as the Greeks they used the letters of your alphabet as ciphers. A casual glance was enough from a Hebrew to the word SHELEG (Hebraic word that wants to say " snow ") to see that she means the cipher 333, as well as it means " snow ". In Hebrew the first letter, that corresponds to our " SH ", is worth 3OO; the second consonant " L " is worth 30; and the final consonant, our " G ", is worth 3. Adding them, we have 333, three ciphers of three. Curious, it is not true? But why not to wait mathematical accuracy of a book fully inspired, as wonderful how much the world that God created? 
Concerning God Jô said: He/she/you " makes great things that we cannot understand. Because he/she says to the snow: He/she/you falls on the earth " (Jô 37:5, 6). I already spent two whole days to copy with feather and ink the drawing of God of six snow crystals and I was very haggard. And how it is easy for him to do him/it! " He says to the snow " - and with a word it is done. 
Imagine how many millions of trillions of snow crystals they fall on a hectare of earth during one hour, and imagine, if they can, the surprising fact that each crystal has your own individuality, a drawing and model without copy in this or in any other storm. " Such knowledge is too wonderful for me; high it is, cannot I reach " him/it (Salt. 139:6). As it can a judged person, before such an evidence of designs, done multiply by a numberless of varieties, to doubt of the existence and of the Designer's work, whose capacity is immeasurable?! is A God capable to do so many beauties capable of everything, even of molding our lives giving them beauty and symmetry. 
 
(c) THE argument of the man's nature. The man has moral nature, that is, your life is regulated by concepts of the good and of the evil. He recognizes that there is a straight road of action that should proceed and a wrong road that should avoid. That knowledge calls himself " conscience ". When doing him the good, the conscience approves him/it; when doing him the badly, she condemns him. The conscience, be obeyed or not, he/she speaks to authority. Butier said like this concerning the conscience: " If she had power in the same proportion of your authority he/she manifests, it would govern the world, that is, if the conscience had the force of putting in action that orders, she would revolutionize the world ". But it happens that the man is endowed with free will and, therefore, it can disobey her/it that intimate voice. Same being badly guided, without explanation, the conscience still speech with authority, and he/she makes the man it to feel your responsibility. 
" Two things impress " me, he/she declared Kant, the big I philosophize German, " the high starry sky and the moral law in my interior ".  
Which the conclusion that is removed of this universal knowledge of the good and of the evil? That there is a Legislator that idealized a norm of conduct for the man and he/she made the human nature capable to understand that ideal. The conscience doesn't create the ideal; she simply testifies concerning him, registering your conformity or no-conformity. 
Who originally did create those two powerful concepts of the good and of the evil? God, Justo Legislador! The sin obscured the conscience and it almost annulled the human being law; but in Monte Sinai Deus it recorded that law in stones so that the man had the perfect law to drive your life. The fact that the man understands this law, and he sits down your responsibility to her, he manifests the existence of a Legislator that created the man with that capacity.  
Which is the conclusion that we can remove of that feeling of responsibility? That the Legislator is also a Judge that to reward the good ones and to punish the bad. That that imposed the law finally will defend that law. 
 Not only the man's moral nature, as well as all the aspects of your nature testify of the existence of God. Until the religions more degraded they demonstrate the fact that the man, which blind, fumbling, it seeks something that your soul pants. The physical hunger indicates the existence of something that can satisfy her. When the man is hungry, that hunger it indicates that there is somebody or something that can satisfy him/it. The exclamation, my soul is thirsty of God " (Salt. 42:2), it is an argument in favor of the existence of God, because the soul would not deceive the man with headquarters of that that didn't exist. He/she said like this certain time an erudite of the primitive church: " For you you did us, and our heart will be restless while he/she doesn't find rest in you ".  
 
(d) THE argument of the history. The march of the events of the universal history supplies evidence of a power and of a dominant providence. The whole biblical history was written to reveal God in the history, that is, to illustrate the work of God in the human businesses. " The beginnings of the divine government morals are so much in the history of the nations as in the men's " experience, he/she writes D. S. Clarke. (Salt. 75:7; Dan. 2:21; 5:21.) " the English Protestantism sees the defeat of the Spanish Armada as a divine intervention. The colonization of the United States for Protestant immigrants saved them of the luck of South America, and this way it saved the democracy. Who would deny that the hand of God was in those events "? the humanity's history, the appearance and decline of nations, how do Babylon and Rome, show that the progress accompanies the use of the universities given by God and the obedience to your law, and what do the national decline and the moral rottenness follow the disobedience " (D. L. Pierson). A. T. Pierson, in your book, " The New Acts of the Apostles ", does it expose the evidences of the dominant providence of God in the modern evangelical missions. 
Especially the way of God to treat with the individuals it supplies proofs of your active presence in the human businesses. Charles Bradiaugh, that was in certain time the most notable atheist in England, challenged shepherd Charles Hughá Price, for a debate. 
It was accepted the challenge and the preacher, for your time, it challenged the atheist in the following way: As all know, Mr. Bradiaugh, " the convinced man against the own will always maintains your point of view ", and, because the debate, as mental gymnastics that it is, it won't probably convert anybody, I propose him/her that present some concrete evidences of the validity of the revindications of the Christianity in the men's form and women redeemed of the mundane and shameful life for the influence of the Christianity and for the of the atheism. I will bring a hundred of those men and women, and I challenge him/it to do the same. 
If Mr. Bradiaughá cannot present a hundred, against my a hundred, I will be satisfied if he/she brings fifty men and women that get up and attest that were transformed of a shameful life by the influence of your atheistic teachings. If it cannot present fifty, I challenge him/it to present twenty people that testify with radiant faces, as they will make him my a hundred, that they have a great and new joy in your high life, in result of the atheistic teachings. If it cannot present twenty, I will be satisfied if it presents ten. No, Mr. Bradiaugh, challenge him/it to bring only one man or only one woman that gives such testimony concerning the ennobling influence of your teachings. My redeemed people will bring irrefutable proof with relationship to Jesus Christ's saving power about your redeemed lives of the slavery of the sin and of the shame. 
Perhaps, Mr. Bradiaugh, that will be the true demonstration of the validity of the revindications of the Christianity. 
Mr. Bradiaughá removed your challenge! 
 
(and) THE argument of the universal faith. The faith in the existence of God is practically so spread with relationship the own human race, although a lot of times he/she shows in perverted form or grotesque and covered of superstitious ideas. This opinion has been objecteded for some that argue exist races that don't have the smallest conception of God. But Mr. Jevons, authority in the subject of races and compared religions, says that this opinion, " As it is of all the anthropologists' knowledge, it already went to the limbo of the controversies died... all harmonize that races don't exist, no matter how primitive they are, totally deprived of religious conception! Although somebody mentions exceptions, we know that the exception doesn't disable the rule. For instance, if some were found human beings entirely deprived of every human feeling and compassion, that would not serve as base to say that the man is essentially a deprived creature of feelings. The blind men presence in the world doesn't prove that all the men are blind ". As William Evans said: " the fact of certain nations know not the multiplication  it doesn't affect the arithmetic ".  
How did he/she arise this universal faith? Most of the atheists seems to imagine that a group of theologians she have gathered in session it secretes in the which you/they invented the idea of God, the one which later presented to the people. But the theologians didn't invent God as well as the astronomers didn't invent the stars, nor the botanists the flowers. It is right that the old ones maintained wrong ideas concerning the heavenly bodies, but that fact doesn't deny the existence of the heavenly bodies. It is seen that the humanity already had defective ideas concerning God, that implicates that a God exists concerning which could have erroneous notions.  
This universal knowledge didn't necessarily arise for the reasoning, because there are men of great reasoning power that also deny the existence of God. But it is evident that the same God that made the nature, with your beauties and marvels, also made the man endowed with capacity to observe, through the nature, your Creator. " Since, which one can know of God, in them it is obvious; because God lho manifested. His invisible perfections, your eternal power, and your divinity, clearly they see each other from the creation of the world, being noticed by your works " (Rom. 1:19, 20). God didn't make the world without leaving certain signs, suggestions and clear evidences, that speak about the works of your hands. " But the men knowing God, they didn't glorify him/it as God, nor they gave thanks, before if  in your speculations and it was in darkness your senseless " heart (Rom. 1:21). THE sin made to dim your vision; they lost from view to God and, instead of seeing God through the creature, they despised him/it for the ignorance and they adored the creature. It was of this it sorts things out that began the idolatry. But until this proof that the man is worshipping creature and that unavoidably seeks a cult object.  
This universal faith in God something proof is? It is proof that the man's nature is in such a way constituted that it is capable to understand and to appreciate that idea, as it expressed him/it certain writer: " The man is religious " , that in the widest sense includes: (1) the acceptance of the fact of the existence of a to be above the forces of the nature. (2) a feeling of dependence of God as who dominates the man's destiny; this feeling is wakened up by the thought of your own weakness and smallness and for the magnitude of the universe. (3) the conviction that she can make a friendly union and that in this union him, the man, will find safety and happiness. This way we see that the man, by nature, it is constituted to have faith in the existence of God, to trust your kindness, and to adore in your presence.  
This " religious " feeling is not in the inferior creatures. For instance, it would waste your time who tried to teach religion to the highest of the types of simians. But the more the men's inferior can be instructed in the things of God. Why? It misses the animal the religious nature - it is not done to the image of God; the man possesses religious nature and it seeks an adoration object.
Extracted of the Book: Knowing the Doctrines of the Bible 
For: Myer Pearlman

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Temas para Missões

Frases marcantes de: Oswald Smith

Esboço de Sermão: Josué - Vencendo os Desafios da Vida